Terapia Nutricional no paciente crítico

  

 

A terapia nutricional (TN) é o pilar mais importante na evolução do paciente grave. Entretanto, seu sucesso depende, dentre outros fatores, da adequada seleção da via de acesso, da definição das necessidades calóricas e proteicas, da técnica de infusão da dieta e monitoramento da TN.

A terapia nutricional ganhou enorme importância nos últimos 20 anos, tornando-se peça fundamental nos cuidados ao paciente crítico. Sabemos que o estado nutricional interfere diretamente na evolução clínica do paciente como na redução da morbimortalidade, diminuição da resposta catabólica, incremento do sistema imune, manutenção da integridade funcional do trato gastrointestinal, além de contribuir para um menor tempo de internação em unidade fechada com consequente redução no custo do tratamento.

Nos últimos anos, as publicações sobre o tema praticamente dobraram, porém, os estudos tem se apresentado muito divergentes em suas metodologias.

Os temas mais estudados dentro da terapia nutricional no paciente crítico são as necessidades calóricas e proteicas, quantidade de macro e micronutrientes a serem administrados e se realmente os nutrientes imunomoduladores, como a glutamina, a arginina, os antioxidantes, o ômega 3, são determinantes no tratamento desses pacientes.

Para melhores esclarecimentos, aguardamos por mais e melhores evidências científicas para alguns pontos da terapia nutricional em pacientes críticos.

Hoje em dia é possível encontrarmos fontes seguras e de qualidade, onde podemos encontrar consensos para esse assunto como por exemplo os guidelines da ESPEN 2006 e ASPEN 2009 para pacientes críticos, bem como o Canadian Critical Care Nutrition Practice Guidelines. 

 

Deixe seu comentário.