Relação Intestino - Sistema Nervoso Central

 

  

A microbiota intestinal converte sinais ambientais e moléculas da dieta em metabólitos de sinalização para se comunicar com o hospedeiro. Essa comunicação micróbio-hospedeiro é essencial para manter as funções vitais do hospedeiro saudável. Recentemente, no entanto, a microbiota intestinal tem sido associada a várias doenças, desde obesidade e doenças inflamatórias até anormalidades comportamentais e fisiológicas associadas a distúrbios do neurodesenvolvimento. 

Fatores como  o uso de antibiótico, consumo de fibras alimentares, ingestão de gordura saturada e colesterol alimentar podem alterar a composição da microbiota intestinal. A microbiota intestinal converte esses insumos em metabólitos, que podem sinalizar para diferentes órgãos e tecidos do hospedeiro.

A composição da microbiota intestinal é influenciada também por fatores genéticos além dos fatores  ambientais que começam no início da vida. Postulou-se que cada indivíduo pode ser agrupado em um dos três conjuntos bacterianos chamados enterotipos, que são definidos pela abundância relativa dos gêneros Bacteróides, Prevotella ou Ruminococcus. Embora a presença de enterotipos tenha sido debatida e provavelmente não seja tão discreta quanto originalmente sugerida, é evidente que os membros da microbiota intestinal concorrem e dependem das atividades metabólicas uns dos outros. Por outro lado, a competição por condições ambientais e nutrientes similares restringe a colonização bacteriana e leva a uma competição de nicho dentro ou entre as espécies bacterianas.

A microbiota intestinal está em uma relação homeostática com o sistema imunológico da mucosa intestinal, e a interrupção dessa interação pode levar a doenças. No entanto, para se comunicar com órgãos distantes, os sinais microbianos do intestino precisam primeiro ser transmitidos através do epitélio intestinal. Esses sinais (ou moléculas) podem ser componentes estruturais das bactérias ou metabólitos produzidos a partir da microbiota que podem afetar diretamente os órgãos distais ou sinalizar através dos nervos ou hormônios do intestino.

 

Fonte: Signals from the gut microbiota to distant organs in physiology and disease. nature medicine  VOLUME 22 | NUMBER 10 | OCTOBER 2016

Deixe seu comentário.