Regulação microbiana X Metabolismo energético

 

O microbioma intestinal emergiu como um regulador chave do metabolismo do hospedeiro. 

Na última década, um progresso impressionante foi observado em relação ao  papel da microbiota intestinal na regulação do metabolismo da homeostase energética. Apesar da complexidade e do número de mecanismos complementares descobertos até hoje, iniciamos uma nova era destinada a direcionar a microbiota intestinal para a regulação da homeostase energética e a saúde.

Uma metanálise publicada neste ano, revisou os vários mecanismos pelos quais o microbioma intestinal influencia o metabolismo energético de seu hospedeiro, destacando as interações complexas entre os micróbios intestinais, seus metabólitos e células hospedeiras. Entre os metabólitos bacterianos mais importantes estão os ácidos graxos de cadeia curta, que servem como fonte direta de energia para as células hospedeiras, estimula a produção de hormônios intestinais e atua no cérebro para regular a ingestão de alimentos.

Nesse artigo, também é discutido sobre os papéis de bactérias específicas na produção de metabólitos, como fatores externos, como antibióticos e exercícios, afetam o microbioma e, portanto, a homeostase energética.

É sugerido pelos autores um grande corpo de evidências apoiando o conceito de que as terapias baseadas em microbiota intestinal podem ser usadas para modular o metabolismo do hospedeiro, porém, mais estudos são necessários. Há boas razões para acreditar que intervenções terapêuticas de sucesso usando a microbiota intestinal ou visando bactérias específicas podem ser alcançadas quando a composição inicial da microbiota, bem como a presença de micróbios específicos e sua atividade metabólica, é levada em conta. Portanto, existe uma forte esperança para o surgimento de terapias baseadas em microbiota intestinal que modulam o metabolismo do hospedeiro para melhorar a saúde.

 

Fonte: Microbial regulation of organismal energy homeostasis. Nature Metabolism | VOL 1 | JANUARY 2019 | 34–46

Deixe seu comentário.