Indicação Nutricional no tratamento da Úlcera de Pressão

 

Uma úlcera por pressão (UP) é uma lesão localizada da pele e/ou tecido subjacente, normalmente sobre uma proeminência óssea, em resultado da pressão ou de uma combinação entre esta e forças de torção. As úlceras por pressão também estão associadas a vários fatores contribuintes ou de confusão, cujo papel ainda não se encontra totalmente esclarecido.

As úlceras por pressão apresentam alta prevalência e incidência em pacientes hospitalizados, tanto em centros de cuidados primários, como terciários ou em instituições especializadas para idosos ou deficientes físicos. Têm relação direta com a idade do paciente e com as características da instituição onde este se encontra. Em unidades hospitalares de atendimento de urgência, a prevalência de UP varia de 5% a 15%, em casas de repouso, de 15% e 20% e, em centros de reabilitação, de 30% a 50%.

São fatores de risco para a ocorrência de UP: desnutrição, presença de doenças crônicas, imobilidade no leito e uso de algumas drogas, como corticoides, entre outros. Neste sentido, o cuidado nutricional tanto na prevenção como no tratamento das UP é relevante e tem também impacto no controle das demais comorbidades.

A desnutrição é importante fator de risco para o desenvolvimento de UP. As restrições alimentares impostas pelo tratamento de comorbidades e as dificuldades do próprio paciente em aproveitar os nutrientes ingeridos são fatores de risco para estado nutricional debilitado. 

O estado nutricional é fator de risco independente para o surgimento de UP, logo, tem papel direto na prevenção desta enfermidade. Todo paciente com UP deve ser submetido à avaliação nutricional no início do tratamento e reavaliado quando não se observar melhora na lesão ou quando o fechamento da úlcera não for obtido.

O tratamento deverá contemplar os cuidados com a ferida, o controle das doenças associadas e a recuperação do estado nutricional. Neste sentido, a oferta de terapia nutricional individualizada é primordial.

Em relação a oferta calórica, os consensos preconizam oferecer uma quantidade energética individualizada com base na condição médica e no nível de atividade subjacentes. A oferta entre 30 - 35kcal/kg para os adultos em risco de desenvolver úlceras por pressão, assim como, para os pacientes com úlcera por pressão avaliados como estando em risco de desnutrição é o indicado.

O ideal seria as necessidades calóricas serem satisfeitas por uma dieta saudável. No entanto, alguns indivíduos são incapazes ou não estão dispostos a seguir uma dieta adequada. As dietas excessivamente restritas podem tornar a comida desagradável e pouco apelativa e, por conseguinte, reduzir o consumo.

Os suplementos nutricionais orais (SNO), os alimentos enriquecidos e os alimentos hipercalóricos podem ser utilizados para combater a perda de peso não intencional e a desnutrição.

Já quando falamos em oferta proteica, é necessário fazer uso do juízo clínico para determinar o nível proteico adequado a cada indivíduo com base no número das úlceras por pressão, no estado nutricional geral, nas comorbidades e na tolerância a intervenções nutricionais de cada indivíduo. É recomendado a oferta diária entre 1,25 e 1,5g/ kg/ dia de proteínas para adultos em risco de desenvolver úlceras por pressão ou pacientes que já apresentem úlcera por pressão e são avaliados como estando em risco de desnutrição.

Para além da dieta habitual, o uso dos suplementos nutricionais de elevado teor calórico e proteico a adultos em risco nutricional e em risco de desenvolver úlceras por pressão é extremamente indicado caso as exigências nutricionais não sejam satisfeitas através da ingestão alimentar. A utilização dos módulos de proteína são uma dos alternativas de grande valia para o manejo Nutricional desses pacientes.

 

Fontes: Prevenção e Tratamento de Úlceras por Pressão: Guia de Consulta Rápida - NPUAP, EPUAP, PPPIA; Terapia Nutricional para Portadores de Úlceras por Pressão - Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Associação Brasileira de Nutrologia Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

 

Deixe seu comentário.