RSS

Blog

O estado nutricional está diretamente relacionado com o envelhecimento.

 

Algumas condições na população idosa são vistas com certa frequência, como a instabilidade postural e quedas, incontinência (urinária e fecal), incapacidade cognitiva (demência, delirium, depressão e doença mental), imobilidade e lesão por pressão. Essas podem determinar o surgimento de uma ou mais síndromes geriátricas, por condições multifatoriais, e associam-se à perda da independência e da autonomia. Pela sua frequência e importância para a saúde da população idosa, outras condições comuns têm sido descritas como insuficiência familiar, sarcopenia e fragilidade.

A Sarcopenia, caracteriza-se pela perda progressiva e generalizada da força e da massa muscular, que pode estar associada ao declínio da performance ou desempenho físico. Uma perda excessiva de massa muscular e força resulta em deficiência física, fragilidade, incapacidade e dependência, assim, prejudicando o estado nutricional do mesmo.

Muitos fatores relacionados ao envelhecimento e às comorbidades, contribuem para a ingestão insuficiente tanto de calorias quanto de nutrientes específicos. Com isso, frequentemente as pessoas idosas estão em risco de desnutrição. 

Algumas estratégias nutricionais devem ser utilizadas o mais breve possível fornecer as quantidades adequadas de calorias, proteínas, micronutrientes e líquidos, a fim de atender aos requisitos nutricionais e, assim, manter ou melhorar o estado nutricional durante o processo de envelhecimento.

 

Fonte: DIRETRIZ BRASPEN DE TERAPIA NUTRICIONAL NO ENVELHECIMENTO

Má nutrição no tratamento do Câncer


O câncer de esôfago é o oitavo câncer mais comum em todo o mundo, com uma sobrevida de em média 5 anos, e durante esse período, o estado nutricional desse paciente é desafiado pelos transtornos metabólicos induzidos pelo tumor e por tratamentos anticâncer. A desnutrição afeta até 80% dos pacientes e é multifatorial na etiologia. Os pacientes freqüentemente apresentam sintomas obstrutivos tardios, caquexia, perda de peso devido à doença localmente avançada.  

 A intervenção nutricional melhora o ganho de peso, o status de desempenho, a tolerabilidade do tratamento, a sobrevida global e a qualidade de vida desses pacientes.

Com o objetivo de identificar fatores prognósticos nutricionais e os resultados de sobrevida associados à intervenções nutricionais em pacientes oncológicos, o estudo SCOPE1 recrutou 258 pacientes para quimioterapia com ou sem Cetuximabe. A sobrevida global foi demonstrado como  significativamente pior em pacientes classificados com risco de desnutrição no início do estudo em comparação com pacientes sem risco. E os autores concluíram que o estado nutricional pobre, ou seja, pacientes de risco, estão associados a piores desfechos e a intervenção nutricional, que incluiu aconselhamento dietético, suplementação oral ou NE, pode melhorar a sobrevida desses pacientes.

Hoje há evidências suficientes para apoiar o conceito de que o manejo multimodal da caquexia pode estabilizar o estado nutricional independentemente da progressão tumoral.

 

Fonte: Role of nutritional status and intervention in oesophageal cancer treated with definitive chemoradiotherapy: outcomes from SCOPE1

Nutrição na terceira idade

 

Após os 60 anos é comum a perda de massa muscular que, aliada às alterações fisiológicas, como a absorção de nutrientes, pode ocasionar a sarcopenia, condição que afeta a musculatura, diminuição da força e piora do desempenho físico, associado ao envelhecimento. Sob o ponto de vista fisiológico, o idoso tem uma redução de diversas propriedades do organismo. Além de alterações na dentição, que dificultam a mastigação; e de locomoção, um obstáculo para a busca de alimento; as funções digestiva, absortiva, gástrica e intestinal estão reduzidas.

 

Evitar a desnutrição é muito mais fácil do que tratá-la. A ingestão de alimentos pode ser aumentada ao atender às preferências alimentares tanto quanto possível. Os pacientes devem estar preparados para refeições com cuidados apropriados para mãos e boca, e devem estar confortavelmente situados para a alimentação. A assistência deve ser fornecida para aqueles que precisam de ajuda. Colocar dois ou mais pacientes juntos para as refeições pode aumentar a sociabilidade e a ingestão de alimentos. Os alimentos devem ser de consistência apropriada, preparados com atenção à cor, textura, temperatura e arranjo. O uso de ervas, especiarias e alimentos quentes ajuda a compensar a perda do sentido do paladar e do cheiro, que muitas vezes acompanham a velhice e evitam o uso excessivo de sal e açúcara. O acesso adequado a alimentos nutritivos e apetitosos deve ser garantido para pacientes de várias origens culturais e em todos os contextos.

 

Suplementos nutricionais contendo proteínas e energia (calorias) têm sido amplamente utilizados em um esforço para aumentar a ingestão de calorias e nutrientes, especialmente quando os pacientes comem apenas pequenas quantidades de alimento. O uso de tais suplementos pode diminuir a ingestão de alimentos, mas a ingestão nutricional geral geralmente aumenta devido à qualidade dos nutrientes e à densidade calórica dos suplementos. Muitas formulações orais diferentes estão disponíveis e podem ser escolhidos com base nas preferências do paciente, capacidade de mastigação ou custo do produto. As fórmulas orais também podem ser selecionadas com base em seu conteúdo de calórico, osmolalidade, proteína e fibra. A maioria das fórmulas fornece 1-1,5 calorias / mL e muitas são sem lactose e / ou sem glúten. A suplementação com energia e proteína produz um pequeno mas consistente ganho de peso em pessoas idosas. A mortalidade pode ser reduzida em pessoas idosas desnutridas com a simples introdução de um suplemento ao dia.

 

Fonte: Associação Brasileira de Geriatria e Gerontologia

Nutrição no Câncer

 

 

Os cânceres estão entre as principais causas de morbidade e mortalidade em todo o mundo, e espera-se que o número de novos casos aumente significativamente nas próximas décadas. Ao mesmo tempo, todos os tipos de tratamento contra o câncer, como cirurgia, radioterapia e terapias farmacológicas, estão melhorando em sofisticação, precisão e no poder de direcionar características específicas de cânceres individuais. Assim, enquanto muitos cânceres ainda podem não ser curados, eles podem ser convertidos em doenças crônicas. Todos esses tratamentos, no entanto, são impedidos pelo frequente desenvolvimento de desnutrição e disfunções metabólicas em pacientes com câncer, induzidos pelo tumor ou por seu tratamento.

O ponto importante é que, ao contrário da desnutrição simples, o balanço energético negativo e a perda de massa óssea observados em pacientes com câncer são impulsionados por uma combinação de redução da ingestão de alimentos e desequilíbrios metabólicos (por exemplo, elevada taxa metabólica de repouso, resistência à insulina e lipólise) e proteólise que agravam a perda de peso e são provocadas por inflamação sistêmica e catabolismo.

Intervenções nutricionais e metabólicas visam manter ou melhorar a ingestão de alimentos e diminuir os desequilíbrios metabólicos, manter a massa muscular esquelética e o desempenho físico, reduzir o risco de reduções ou interrupções de tratamentos anticâncer programados e melhorar a qualidade de vida. Infelizmente, faltam dados que definam o melhor momento para iniciar o suporte nutricional.

Portanto, a terapia nutricional deve preferencialmente ser iniciada quando os pacientes ainda não estão gravemente desnutridos e quando os objetivos do tratamento incluem manter ou melhorar o estado nutricional. O suporte nutricional deve ser oferecido a pacientes com probabilidade de desenvolver anorexia ou defeitos gastrointestinais devido aos efeitos colaterais do tratamento. Pacientes gravemente desnutridos que estão em tratamento ativo devem receber terapia nutricional imediatamente.

As terapias para desnutrição associada ao câncer incluem o aconselhamento nutricional por um profissional de saúde considerado como de 1ª linha de terapia nutricional, onde o profissional visa proporcionar ao paciente uma compreensão completa dos tópicos nutricionais que podem levar a mudanças duradouras nos hábitos alimentares. Claramente, a melhor maneira de manter ou aumentar a ingestão de energia e proteína é com a comida normal. No entanto, isso geralmente é difícil e, além do aconselhamento, são necessários suplementos nutricionais orais a fim de suplementar a ingestão de alimentos.

Se a ingestão de nutrientes continuar inadequada, a nutrição suplementar ou completa por via oral, enteral ou parenteral pode ser indicada, dependendo do nível de função do trato gastrointestinal.

Geralmente, a primeira forma de apoio nutricional deve ser o controle dos sintomas e o encorajamento da ingestão de alimentos e fluidos enriquecidos com energia que sejam mais bem tolerados. Uma dieta enriquecida em energia e proteína é a maneira preferida de manter ou melhorar o estado nutricional. O uso adicional de suplementação é recomendado quando uma dieta enriquecida não é eficaz para alcançar objetivos nutricionais.

A nutrição artificial é indicada se os pacientes não puderem comer adequadamente (por exemplo, nenhum alimento por mais de uma semana ou menos de 60% da necessidade por mais de 1 e 2 semanas). Se tiver sido tomada uma decisão de alimentar um paciente, é recomendado nutrição enteral se a nutrição oral permanecer inadequada apesar das intervenções nutricionais (aconselhamento e suplementos nutricionais orais) e nutrição parenteral se a nutrição enteral não for suficiente ou viável.

Devido à sua baixa palatabilidade, as dietas cetogênicas podem levar a uma ingestão insuficiente de energia e perda de peso, e além disso, não há ensaios clínicos demonstrando benefício de uma dieta cetogênica em pacientes com câncer. Dois estudos piloto sem grupos controle em pacientes com glioblastoma ou tumores sólidos avançados mistos não observaram respostas do tumor.

Além de apoiar a saúde, o alimento e a alimentação têm papéis importantes na estabilização psicológica e na integração social e, por isso, afetam a qualidade de vida. O aconselhamento nutricional deve considerar e objetivar a manutenção ou melhoria de todos esses aspectos. Isso exigirá averiguar hábitos e preferências individuais. Além disso, o aconselhamento eficaz requer habilidades de comunicação adequadas para garantir a alta conformidade com o aconselhamento nutricional individualizado dado.

 

Fonte:  Arends J, et al. ESPEN guidelines on nutrition in cancer patients. Clinical Nutrition (2016)