RSS

Blog

Relação Intestino - Sistema Nervoso Central

 

  

A microbiota intestinal converte sinais ambientais e moléculas da dieta em metabólitos de sinalização para se comunicar com o hospedeiro. Essa comunicação micróbio-hospedeiro é essencial para manter as funções vitais do hospedeiro saudável. Recentemente, no entanto, a microbiota intestinal tem sido associada a várias doenças, desde obesidade e doenças inflamatórias até anormalidades comportamentais e fisiológicas associadas a distúrbios do neurodesenvolvimento. 

Fatores como  o uso de antibiótico, consumo de fibras alimentares, ingestão de gordura saturada e colesterol alimentar podem alterar a composição da microbiota intestinal. A microbiota intestinal converte esses insumos em metabólitos, que podem sinalizar para diferentes órgãos e tecidos do hospedeiro.

A composição da microbiota intestinal é influenciada também por fatores genéticos além dos fatores  ambientais que começam no início da vida. Postulou-se que cada indivíduo pode ser agrupado em um dos três conjuntos bacterianos chamados enterotipos, que são definidos pela abundância relativa dos gêneros Bacteróides, Prevotella ou Ruminococcus. Embora a presença de enterotipos tenha sido debatida e provavelmente não seja tão discreta quanto originalmente sugerida, é evidente que os membros da microbiota intestinal concorrem e dependem das atividades metabólicas uns dos outros. Por outro lado, a competição por condições ambientais e nutrientes similares restringe a colonização bacteriana e leva a uma competição de nicho dentro ou entre as espécies bacterianas.

A microbiota intestinal está em uma relação homeostática com o sistema imunológico da mucosa intestinal, e a interrupção dessa interação pode levar a doenças. No entanto, para se comunicar com órgãos distantes, os sinais microbianos do intestino precisam primeiro ser transmitidos através do epitélio intestinal. Esses sinais (ou moléculas) podem ser componentes estruturais das bactérias ou metabólitos produzidos a partir da microbiota que podem afetar diretamente os órgãos distais ou sinalizar através dos nervos ou hormônios do intestino.

 

Fonte: Signals from the gut microbiota to distant organs in physiology and disease. nature medicine  VOLUME 22 | NUMBER 10 | OCTOBER 2016

Regulação microbiana X Metabolismo energético

 

O microbioma intestinal emergiu como um regulador chave do metabolismo do hospedeiro. 

Na última década, um progresso impressionante foi observado em relação ao  papel da microbiota intestinal na regulação do metabolismo da homeostase energética. Apesar da complexidade e do número de mecanismos complementares descobertos até hoje, iniciamos uma nova era destinada a direcionar a microbiota intestinal para a regulação da homeostase energética e a saúde.

Uma metanálise publicada neste ano, revisou os vários mecanismos pelos quais o microbioma intestinal influencia o metabolismo energético de seu hospedeiro, destacando as interações complexas entre os micróbios intestinais, seus metabólitos e células hospedeiras. Entre os metabólitos bacterianos mais importantes estão os ácidos graxos de cadeia curta, que servem como fonte direta de energia para as células hospedeiras, estimula a produção de hormônios intestinais e atua no cérebro para regular a ingestão de alimentos.

Nesse artigo, também é discutido sobre os papéis de bactérias específicas na produção de metabólitos, como fatores externos, como antibióticos e exercícios, afetam o microbioma e, portanto, a homeostase energética.

É sugerido pelos autores um grande corpo de evidências apoiando o conceito de que as terapias baseadas em microbiota intestinal podem ser usadas para modular o metabolismo do hospedeiro, porém, mais estudos são necessários. Há boas razões para acreditar que intervenções terapêuticas de sucesso usando a microbiota intestinal ou visando bactérias específicas podem ser alcançadas quando a composição inicial da microbiota, bem como a presença de micróbios específicos e sua atividade metabólica, é levada em conta. Portanto, existe uma forte esperança para o surgimento de terapias baseadas em microbiota intestinal que modulam o metabolismo do hospedeiro para melhorar a saúde.

 

Fonte: Microbial regulation of organismal energy homeostasis. Nature Metabolism | VOL 1 | JANUARY 2019 | 34–46

Disfagia Orofaríngea em Idosos

 

A disfagia orofaríngea (DO) tem sido relatada como uma condição altamente prevalente entre idosos residentes em instituições de cuidados a idosos, que vivem na comunidade e em ambientes hospitalares. As alterações anatômicas e fisiológicas que ocorrem nas estruturas relacionadas à deglutição, como resultado do processo normal de envelhecimento, estão bem documentadas. Com a adição de fatores estressores como doença ou cirurgia, a reserva funcional pode ser reduzida, assim como, o impacto na capacidade funcional de deglutição. A DO não só pode levar ao desenvolvimento de pneumonia por aspiração, desnutrição e desidratação, como também pode contribuir significativamente para um aumento do tempo de hospitalização e custos de saúde. A avaliação oportuna e o gerenciamento da DO em populações de risco são, portanto, essenciais para minimizar o impacto da DO. 

Com o objetivo de documentar a presença de DO após a cirurgia de fratura de quadril e os fatores associados à ela, Love AL et  al, recrutou 181 idosos (idade média de 84 anos) admitidos em uma unidade de ortogeriatria por fratura de quadril. Uma avaliação fonoaudiológica foi realizada em todos os participantes nas 72h subsequentes à abordagem cirúrgica. Disfagia orofaríngea foi identificada em 61 (34%) dos pacientes. A avaliação determinou suspensão completa da dieta oral em 3 (1,6%) dos pacientes, modificação de fluidos em 28 (16%) e modificação da textura de sólidos em 35 (19%). Os fatores associados de forma independente a maior risco de disfagia foram idade, antecedente de doença neurológica, presença de delirium, antecedente de doença respiratória e residência em instituição de longa permanência. Os autores concluíram que a DO está presente em grande parte da população mais velha que apresenta fratura de quadril. A identificação precoce da DO tem implicações importantes para a provisão de um tratamento oportuno da disfagia, que pode prevenir complicações secundárias e potencialmente reduzir o tempo de internação hospitalar.

 

Fonte: Love AL et al. Age Ageing. 2013 Nov;42(6):782-5.

Efeito da suplementação de CoQ10 nos marcadores inflamatórios

 

Evidências de estudos anteriores indicaram que a inflamação desempenha um papel importante em numerosas doenças, como doenças cardiovasculares (DCV), doença renal crônica, diabetes tipo 2, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e câncer. Proteína C-reativa (PCR), interleucina-6 (IL-6) e fator de necrose tumoral pertencem a um conjunto de marcadores gerais de inflamação. Níveis elevados desses marcadores inflamatórios não só aumentam o risco de doenças crônicas, mas também contribuem para a patogênese da doença. A redução da inflamação tem sido reconhecida como uma das formas de reduzir o risco dessas doenças crônicas.

A CoQ10 desempenha um papel fundamental na cadeia respiratória mitocondrial para a produção celular de trifosfato de adenosina (ATP). CoQ10 é um antioxidante intracelular e pode ser sintetizado endogenamente por todas as células do nosso corpo, ou pode ser obtido naturalmente a partir da dieta. A CoQ10 mantém as proteínas mitocondriais, os fosfolipídios da membrana e o colesterol da lipoproteína de baixa densidade (LDL-C) a salvo dos danos oxidativos induzidos por radicais livres. O estresse oxidativo está intimamente relacionado à inflamação, e um deles pode ser facilmente induzido por outro. Portanto, os antioxidantes que visam tanto o estresse oxidativo quanto a inflamação podem ser mais eficazes na prevenção ou tratamento de doenças. 

Para avaliar os efeitos da suplementação com coenzima Q10 (CoQ10), dezessete ensaios clínicos randomizados foram selecionados para a realização de uma meta-análises que sugeriu efeitos redutores significativos da CoQ10 na PCR, IL-6 e TNF. Entretanto, os resultados devem ser interpretados com cautela devido à evidência de heterogeneidade e número limitado de estudos.

 

Fonte: L. Fan et al. / Pharmacological Research 119 (2017) 128–136 129.